História de Castro, Capital de Chiloé, Los Lagos, Chile

Castro é a capital e o coração da Ilha Grande de Chiloé, localizada na Região dos Lagos, sendo a terceira cidade mais antiga do Chile. Sua localização, cultura e história fazem da cidade um centro urbano para descobrir e descobrir atividades com aspectos únicos do gênero.

Foi o capitão Martín Ruiz de Gamboa y Avendaño quem tomou posse do arquipélago e fundou a cidade de Santiago de Castro, em fevereiro de 1567.

Em 1788, Castro deixou de ser a capital da província espanhola devido a dois terramotos que em anos anteriores reduziram fortemente a população da cidade, deixando Ancud como capital da província. Mas o progresso da zona de Castro reapareceu de mãos dadas com a atividade madeireira, a pesca e a produção de batata, e com a chegada da ferrovia, recuperou a sua importância como centro do arquipélago. Em 1982, era mais uma vez a capital da província. Atualmente, a Ilha Grande possui uma população de 43.807 habitantes (2017), dos quais cerca de 77,7% residem na cidade de Castro. Possui uma infraestrutura urbana preparada para abastecer todos os seus habitantes e turistas que chegam todos os anos para se maravilhar com a magia da região.

Sua geografia peculiar, o período colonial e sua posterior incorporação ao território chileno deram origem a uma mistura de culturas que, com o passar do tempo, formaram costumes tradicionais e deram ao lugar uma identidade própria, em relação às do Chile central. Embora seja um povo profundamente católico, os habitantes da Ilha mantêm um sistema de crenças complexo sobre o mundo mítico. Divindades da água e da floresta, fórmulas mágicas, bruxas, xamãs e uma extensa mitologia chiloé coexistem sem problemas com a religiosidade católica. Existem mitos que aludem à selva escura no interior das ilhas, como Trauco ou Fiura, ou às divindades do mar, como Millalobo ou Pincoya. Também há histórias da origem das terras, como a luta entre Tentén Vilú e Caicai Vilú nos primórdios do mundo, e mitos de trânsito como o Caleuche, um navio de marinheiros mortos, ou o barqueiro Tempilcahue, no comando de cruzar as almas dos mortos para o outro mundo. A feitiçaria teve raízes profundas na ilha até meados do século XX. Os feiticeiros tornaram-se tão poderosos e influentes durante o século 19 quanto o próprio prefeito da ilha. Agrupados em uma sociedade secreta chamada “Recta Provincia”, popularmente conhecida como a “Maioria”, eles tinham uma organização complexa que foi parcialmente desmantelada. Durante o julgamento dos feiticeiros de Chiloé em 1880.

O lento processo de abertura da ilha ao resto do mundo, iniciado em 1826 com a incorporação de Chiloé ao território chileno e que se acelerou a partir da década de 1960, vem transformando parte das tradições de seus habitantes. Os novos aspectos econômicos e sociais, e a grande influência dos meios de comunicação de massa enfraqueceram os antigos laços da comunidade, deixando um bom número de costumes tradicionais em lugares cada vez mais remotos e isolados. Outro aspecto a destacar são as igrejas de Chiloé, Patrimônio da Humanidade, que representam um exemplo único na América Latina de arquitetura religiosa em madeira. Eles representam uma tradição iniciada pela Missão Jesuíta nos séculos XVII e XVIII, continuada e enriquecida pelos Franciscanos durante o século XIX, e ainda prevalece hoje. Essas igrejas notáveis ​​incorporam a riqueza intangível do arquipélago de Chiloé e testemunham uma fusão bem-sucedida da cultura indígena e europeia, a plena integração de sua arquitetura na paisagem e ambiente, bem como os valores espirituais das comunidades. Um conjunto de dezesseis igrejas é considerado Monumento Histórico Nacional do Chile e, desde 2000, Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Deixe um comentário